sábado, 23 de dezembro de 2017

SALVAÇÃO! FELIZ NATAL!

             

                         

                                       ( Romanos 14: 17 )

      São quase dois mil Natais, dos quais quarenta e seis eu tenho já comemorado; Natais com a mesa bem pobre e Natais de mesa farta. Lembro-me dos Natais do meu tempo de criança, onde o fogão à  lenha cozinhava o macarrão, cuja embalagem era em papel de listras azuis, que identificava a qualidade barata do produto, como pobre também teria que ser o molho que o acompanharia. Para mim, isso pouco importava. Teríamos macarronada, porque era Natal. Em minha inocência, aquela data era especial, pois iríamos comer macarrão.
      Papai noel já não me era nada simpático; eu o tinha como a um vilão, pois nunca se lembrava de me trazer sequer uma bala. Meu único par de sapatos, amanhecia do lado de fora de nossa casa, molhado pelo orvalho da noite. Ao recolhê-lo, ainda o  ensopava mais, com minhas lágrimas de decepção, que se despediam assim daquela frustrada  fantasia. Porém logo me recuperava, pois não queria que a alegria daquele dia especial, fosse totalmente apagada pela frustração do episódio da manhã. Coração e estômago batiam no mesmo compasso: macarrão, macarrão!
      Morávamos próximo a um riacho, e como é praxe da natureza  que se chova nos nossos Natais, à noite ouvíamos o coaxar de um coral composto de rãs e sapos lá na lagoa, como a cantar: “Macarrão, macarrão! Natal, Natal!”
      Hoje, após tantos anos, lembro-me  daqueles tempos. E posso ainda na minha memória, ouvir aquele coral, agora com um tom e gosto de saudade, e onde uma palavra muito importante também foi acrescida: “MACARRÃO! SALVAÇÃO! FELIZ NATAL!

                       Com ou sem macarrão,
                                               
                                           há que se haver  NATAL,
                      
                                                          pois o que importa é: SALVAÇÃO!
    

                  F E L I Z    V E R D A D E I R O    N A TAL!

                  F E L I Z       N A T A L   C O M    J E S U S!
                             ( escrito em Dezembro de 1.999.) 

" E O Vervo se fez carne, e habitou entre nós. E vimos a Sua Glória, como a do Unigênito do Pai." ( hoje, já 23 de Dezembro de 2.017 ).

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

CASO JESUS AINDA DEMORE A VOLTAR.

                         CASO JESUS AINDA DEMORE A VOLTAR.
( 2ª carta de Pedro, 3: 9 )
Caros parentes e amigos aqui presentes.
A face que contemplam não sou mais eu neste instante.
Somente um corpo inerte em sua roupa
Ornado por flores artificiais, e nada mais...

Já vivi por aqui tempo bastante
E cumpri meu calendário itinerante
Sofri, cresci, pequei, amei...
Usei dos recursos que a vida me doou até o fim.
Sigo para o Futuro, que já se faz Presente para mim!

As lágrimas deixaram de ser o meu dilema
Idade para mim já não é mais problema
Notícias ruins não me podem atingir mais
Deus me dá um novo nome desde então!
Atravesso tranqüila o rio  Jordão!

Digo isso, e que seja bem patente:
Estejam vigilantes no que lhes é Presente,
Muito embora o mundo os oprima,
O Senhor da Vida lhes garante
Regozijo após tal tempo desgastante
Estejam atentos! Nosso Lar é mais acima!

Ainda que demore, esperem, pois Cristo volta!

Vejam os sinais de Sua vinda!
Orem, vigiem; fiquem firmes na Promessa!
Leiam a Palavra, pois o Tempo se apressa!
Tenham a Paz de Cristo que os blinda!
Adorem a Deus, amem ao próximo, eis a ordem dada!
Realizem a Obra que lhes foi confiada!

Crises gigantescas mundiais estamos enfrentando
O amor de muitos já vemos se esfriando...
Não se conformem, contudo, com o século presente!
Fé em Deus seja o que lhes sustente!
Insistam na oração e no fazer o Bem!
Ensinem aos seus filhos tal prática também.
Marchem, ainda que feridos!!! Vamos nos ver Além!
                                                            
                                                      Heloísa. 11.10.2017.

sexta-feira, 16 de junho de 2017

VOCÊ NÃO É UMA ILHA


Valorize sua liberdade de falar;
O seu direito de ir e vir, tão importante!
Contudo, saiba que há limites a respeitar;
Existem mais pessoas com você nesse quadrante!

Nenhum homem pode se considerar
Absoluto para fazer o que bem quer, sem antes
Observar o bom mister:

É o seguinte: saber viver e se solidarizar.

Um provérbio eis que me passa pela mente:
Mais se prefere dois ouvidos surdos
 A uma boca suja e indecente.”

Indivíduos há por todo o universo!
Logo, há necessidade de se ter limites nos
Hábitos que formamos, tão diversos! Aprendamos
A boa maneira de estarmos quites!

                                                                20/ 01/ 2.000

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

TURBILHÃO

                                                                         

( Deuteronômio 15: 7 ao 11; Salmo 10: 12 ao 18;Provérbios 18: 23;
   Provérbios 31: 8 e 9;Isaías 3: 14 e 15;Amós 4: 1; Amós 5: 10 e 11;
                              Daniel 4: 27; Lucas 14: 13 e 14.)


O meu coração
é um turbilhão,
tamanha a ansiedade,
a necessidade
de lutar pelo pão.
                    A dura verdade
                    do desemprego cruel,
                    do vencido aluguel;
                    do maldito vício
                    de correr a beber
                    a cachaça barata
                    quando o medo aperta,
                    quando a fome reclama,
                    com a boca aberta...
Eu tremo na esquina
da grande avenida
numa triste sina
de sofrer na vida;
de driblar a morte,
sem nenhum suporte...
Essa “dama” forte
já me trouxe corte...
Não morri por sorte!
Sorte tão mesquinha!
Pobre vida minha...
                     Sem ter qualquer ego,
                     procuro por emprego,
                     que me é sempre negado.
                     Nesse horror diário,
                     não posso preencher
                     nenhum formulário...
O Natal  é  chegado...
pra mim nem valeu!
No comércio enfeitado,
defendendo uns trocados,
vejo um papai noel.
Eu tão magricela,
com a fome ao meu lado,
jamais terei chance
de ser fantasiado...

                     No chão, um cigarro
                     por alguém jogado,
                     vem logo à boca
                     deste tão renegado.
                     A bituca termina
                     em minhas unhas tão feias...
                     esta vã nicotina
                     já corrói minhas veias).
E assim vou vivendo,
com o bolso furado,
sem nenhuma esperança,
sem sequer um trocado;
e sem nenhuma crença;
sem qualquer direção.
Coração pela mão,
E a cara no chão...
                       O que é esperança?
                       Que significa alegria?
                       O que quer dizer mesmo:
                       “Direito à cidadania”,
                        se na hora do voto
                        sou um cidadão,
                        mas na vida, de fato,
                        eu sou confundido
                        e assim me dão trato
                                           de vadio e ladrão?
                           
                    
                                               

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

PRESENTE DE GREGO

               



Recebi, por algum meio,
Uma caixa atraente.
Mas não sei de onde veio,
Pois não tinha remetente...

Usando de fé e coragem
E da cautela que é minha,
Analisei a bagagem,
Que pouco peso continha.

Seria blusinha azul,
Ou saínha de crochê?
Ou um belo par de algemas,
Que prendem tanto você?

Abri. Fiquei deslumbrada!
Mas o que vi foi pro lixo...
Uma maçã tão rosada;
Porém, repleta de bicho...

Um dia, por um pirralho,
De repolho fui taxada.
Mil vezes ser um r e p o l h o
Do que maçã, mas bichada...

                                          Heloísa     Jan. 2.005.

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

AO CRISTÃO PERSEGUIDO ( meu irmão)

                   
“ No mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo!
EU venci o mundo !”  João 16: 33.

Cada vez mais forte o sol neste deserto,
Cada vez mais bravo o mar na minha frente...
Mas tudo vai passar!
Cada vez pior me afronta o inimigo,
Cheio de ameaças; setas incontáveis...
Mas tudo vai passar!
Cada vez mais perto o mal se aproxima,
E anuncia a dor da minha derrota...
Mas tudo vai passar!
Sangue que escorre de inocentes,
Pela violência desenfreada...
Mas tudo vai passar!

Meu horizonte se aproxima,
Sinto uma Força a me impulsionar;
Prossigo a caminhar!
Meu foco é o Alto, minha Morada!
E A Luz Celeste já posso avistar!
JESUS ME LEVA AO LAR!!!
(24.08.2016)

sábado, 13 de agosto de 2016

O COPO FATÍDICO

                  



Para  quem  são  os  “ais”? para quem os  pesares?
                            para  quem  as  pelejas? E  para quem  as  queixas?
para quem  as  feridas  sem causa?  E   para quem
os  olhos  vermelhos?  - Para os  que  se  demoram 
perto do   vinho,  para  os  que  andam    buscando
bebida misturada. Não olhes  para o vinho  quando
se mostra vermelho, quando resplandece no  copo
 e se  escoa   suavemente.  No  seu  fim  morderá
   como  a  cobra,  e  como  o  basilisco    picará.
     Os teus  olhos  olharão  para  as  mulheres
        estranhas, e o teu coração perversidade
          falará.  E então tu serás  como  o  que
            dorme  no  meio  do  mar,  e  como
              o que adormece  no topo  de um
                mastro. E logo assim tu  dirás:
                  “  Muito  me  espancaram,
                            mas  eu    nem
                                  percebi
                                     dor; 
                                maçaram
                                  - me, e 
                                     não
                                    senti.
                                 Quando é
                        que virei a despertar?
             Ainda tornarei a buscá-la  outra vez.
        PROVÉRBIOS DE SALOMÃO: 23: 29 a 35.


Fonte: Livro “Na Encruzilhada da Vida”, página 80.
                        Autor: Rodolfo Belz.